“O fogão de lenha é lugar de saudade” – por Rubem Alves

Resultado de imagem para fogão a lenha instagram tumblr

Recentemente estive numa cidade do interior paulista e me deparei com hortas, galinhas soltas no quintal, cavalos e charretes, fumaça pela chaminé da casa, cheirinho de broa e café feito em coador de pano. Fiquei por alguns minutos fascinada como se essas imagens fossem novas pra mim, mas que na verdade foram apenas esquecidas ou apagadas. Recordei minha avó preparando um pão no fogão de lenha, recolhendo alfaces da horta no quintal ou ate mesmo quarando a roupa no varal… Redes nas varandas, pés descalços, balanços, fogão de lenha, gados pastando soltos pelas colinas, portões e janelas abertas, quintais e moda de viola… quanta lembrança boa! E quando quase tudo me remetia saudade e me achando envelhecida e saudosista demais, leio esse pequeno trecho de uma crônica de Rubem Alves e percebo que minha memória não está velha, ela simplesmente se tornou poética.

Se aconchegue na cozinha, prepare um café, puxe suas lembranças, põe na vitrola aquela moda de viola que seu pai gostava e ótima leitura!

(maria ramos)

Trecho da crônica de Rubem Alves extraída do livro A Grande Arte de Ser Feliz

“O céu estava enfarruscado. O vento soprava nuvens cinzentas desgrenhadas. Nem lua nem estrelas. Bem dizia minha mãe que em dia de chuva elas se escondem, por medo ficar molhadas. A gente se lembrou de Prometeu: Foi ele quem roubou dos deuses o fogo – por dó dos mortais em noites iguais àquela. Se não fosse por ele, o fogo não estaria crepitando no fogão de lenha. O fogo fazia toda a diferença. Lá fora estava frio, escuro e triste. Na cozinha estava quentinho, vermelho e aconchegante. No fogo fervia a sopa: o cheiro era bom, misturado ao cheiro da fumaça.

Comida melhor que sopa não existe. Se eu tivesse de escolher uma comida para comer pelo resto da vida não seria nem camarão, nem picanha, nem lasanha. Seria sopa. Sopa é comida de pobre, que pode ser feita com as sobras. Pela magia do fogo, caldeirão, água e qualquer sobra vira sopa boa. Tem até a história da sopa de pedra…

O fogo é um poder bruxo, tem o poder de irrealizar o real: Os olhos ficam enfeitiçados pela dança das chamas, os objetos em volta vão perdendo os contornos, acabam por transformar-se em fumaça. Quando isso acontece, começam a surgir, do esquecimento em que estavam guardadas, as coisas que a memória eternizou. O fogo faz esquecer para poder lembrar. Digo sempre para os meus clientes que, em vez do divã, que lembra maca de consultório médico, eu preferiria estar senado diante de um fogão aceso. É diante do fogo que a poesia aparece melhor. Não admira que Neruda tivesse dito que a substância dos poetas são o fogo e a fumaça.

O fogão de lenha é lugar de saudade. Porque os fogões de lenha, eles mesmos, são fantasmas de um mundo que não mais existe. […] 

Aí a memória poética se transforma em imaginação teológica. Já sugeri que teologia é coisa que deve ser feita na cozinha. Claro que não é qualquer cozinha. Cozinha de microondas e fogão a gás não serve. Sei que é mais prático. Fogão a lenha é coisa complicada. É preciso muita arte para acender o fogo. E é preciso cuidado para que ele não se apague. Mas que sonhos me fazem sonhar um forno de microondas? Que sonhos fazem sonhar um fogão a gás? […]” – Rubem Alves

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>