Só é seu aquilo que você dá

tumblr_static_filename_640_v2É possível respeitar  a opinião do outro sem que isso afogue nossas próprias emoções?

Dias desses me peguei pensando (coisa que faço em demasia) sobre as varias formas de se demonstrar emoções. Pessoas que não demonstram nem sempre são insensíveis. Meu pai foi um homem de poucos abraços, mas tenho certeza que ele sempre respeitou minhas longas declarações de amor, porque recentemente achei essas demonstrações  guardadas com carinho em caixinhas de papelão feitas por ele, e todas as cartas estavam lindamente organizadas por ordem de datas comemorativas (love dad). Mesmo achando o gesto engraçado, todas as noites antes de dormir, deixo minha mãe me abençoar fazendo um sinal da cruz sobre minha testa (love mom).

O fato de uma pessoa achar desnecessário demonstrar suas emoções – ou pelo menos do jeito que queremos que seja demonstrado – não deve abalar quem nós somos. Ninguém tem o direito de anular nossas emoções.

Somos o que damos ao outro. Podemos ate ceder em certos momentos mas é de fundamental importância que as pessoas saibam o que sentimos, ou o que pensamos.

É necessário estar e se sentir vivo, livre e aberto para dar e receber as varias formas de emoções. Escolhas sempre devem ser respeitadas, assim como nossos sentimentos. Não podemos nos anular.

Fui uma mulher que por muito tempo repetiu a frase “- Tudo bem”, quando queria dizer o contrário. Hoje, após anos de análise e sem brigas, exponho o que sinto, o que gosto ou o que não gosto sem nenhum sentimento de culpa.

Conviver com o outro não é tarefa fácil, buscar e encontrar o ponto de equilíbrio é tarefa menos fácil ainda, mas não impossível quando se tem “jogo aberto”. Com sentimentos abertos mantemos nossas escolhas vivas. Nenhuma relação pode ser verdadeira  sem respeito e sem expressar o que verdadeiramente sentimos:

  • Você não escurece meu céu e eu continuo regando seu chão.
  • Você acha uma bobagem esse lance de dia dos namorados?  Ok te respeito, mas saiba que eu acho o máximo e vou te esperar com um presente surpresa e com bilhetinhos de amor espalhados pela casa. Você acha tudo isso cafona? Eu sei, mas você também sabe que eu adoro uma cafonice romântica e ri de tudo isso. Rimos juntos…
  • Eu me permito chorar  assistindo uma cena de amor, mesmo sabendo que você considera cenas de amor ridículas. Eu choro de amor e você chora de rir. Rimos e choramos juntos…

Se permitir! Essa é a palavra. Permita-se, dê espaço a pessoa que você é.

Quando nos respeitamos , automaticamente respeitamos o outro e vamos entendendo que só  aquilo que damos é o que realmente nos pertence. Estamos aqui para conquistar cada vez mais relações humanas e trocar opiniões, compartilhar sentimentos e emoções, sem farsas e sem desrespeito. Vamos ganhando conhecimentos nesse ato de “relacionar-se”  e consequentemente vamos nos mantendo vivos na plenitude do amor, porque como já disse Osho : “O amor nunca é um relacionamento, pois relacionamento é algo acabado. O amor é um relacionar-se – é sempre um rio fluindo, interminável.”

(maria ramos)

2 ideias sobre “Só é seu aquilo que você dá

  1. “Somos o que damos ao outro”. E o retorno da vida é tudo o que a gente coloca nela. Amei o texto, pra refletir bastante como a gente enxerga o mundo e a nós mesmos….

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>