“Quero a menina do sorriso moreno…”

_20160121_235827Nasci numa cidade pequena do interior de São Paulo e há muito tempo não retornava por lá! Por ocasião das festas de final de ano, meu reencontro com a cidadezinha finalmente aconteceu. Mas se com o sol ela proporciona poucas opções de lazer, imagina com chuva!

E foi numa manhã chuvosa sem ter muito o que fazer, liguei o carro e fui dar uma olhadinha na cidade, que como disse, há muito não visitava. Percebi que ela não era mais a mesma da minha infância, porque as casas simples já não existem mais, os amigos mudaram, os professores quase todos velhinhos aposentados e as escolas não guardam mais os mesmos sonhos.

Parei em frente a casa que morei e vivi os últimos anos da minha adolescência de menina de interior. Tudo mudado também! Quase nem reconheci de tanto muro alto, portões e trancas nas janelas.

Rapidamente lembrei que na casinha simples e emprestada pela prefeitura, havia uma janela com vista pra rua, o muro era baixo, o que dava a chance de ver pessoas, vizinhos e trocar um “dedo de prosa”. O portão era azul e a porta não precisava de chaves. Em frente havia uma antiga fabrica de algodão cercada por um muro enorme que particularmente achava feio, frio e sem cor. Todas as vezes que abria a janela (e isso acontecia todas as manhãs), me deparava com aquele muro sem brilho e com o barulho de algumas maquinas ainda funcionando. Até que um dia tive uma surpresa! Abri a janela e também um sorriso, porque no muro estava escrito em letras grandes: “QUERO A MENINA DO SORRISO MORENO”

Nunca soube quem escreveu e nem mesmo se foi uma dedicatória ou declaração de amor rsrs… O fato é que nunca mais esqueci a tal frase pichada no muro. E ali, por alguns instantes, em frente a casinha, minha memória buscou lembranças nunca esquecidas daquela época de menina.

O muro foi pintado, a velha fábrica de algodão deu espaço a novos depósitos, o portão azul, o muro baixo e a janela já não existem mais, mas a doce lembrança permaneceu viva naquela manhã cinza!

Dizem que é muito chato falar ou escrever sobre velhas recordações e eu concordo com Zé Ramalho quando diz “toco a vida pra frente…”, mas para um dia de chuva sem muito para fazer até que o breve retorno a cidade natal me rendeu algum sorriso, boas lembranças e mesmo no imaginário, pensei que um dia já recebi uma declaração de amor, escrita no muro de uma fabrica de uma cidadezinha do interior…

Retornei para cidade grande e percebi que mudei também e mesmo não sendo mais aquela menina, voltei a ler os muros da cidade para encontrar novos motivos para sorrir. Tenho certeza que por traz das palavras e dos gestos desses artistas urbanos sempre será possível decifrar uma poesia ou outras declarações de amor, seja para quem for. Pode ate ser pra você!

Por isso, quando encontrar, leia, decifre, abra “sua janela” e simplesmente sorria.

(maria ramos)

“eu vou contar pra todo mundo, eu vou pichar sua rua… quem sabe então assim você repara em mim…”

2 ideias sobre ““Quero a menina do sorriso moreno…”

  1. Que lindo. Me fez recordar o dia que voltei a minha cidade. Já não era mais a mesma, a casa da minha Tia onde ficava sempre que podia, após ter vindo para São Paulo, estava totalmente mudada. Com muros altos e portão fechado. Mas mesmo assim viajei , lembrando dela na cozinha fazendo almoço, senti até o cheiro. E quando aos domingos me acordava cedo para ir a missa. Que delícia tempos que ficarão na memoria; E agora lendo o texto lembrei tudo de novo. Obrigada por me proporcionar essa linda viagem. Há e a proposito tenho mania de ler as pichações. rsrsr Tenha um lindo dia. bjs

  2. rsrsrs… ahhh os muros! tinha me esquecido também das missas de domingo! bom, muito lembrar coisas simples. linda semana pra você. obrigada por viajar comigo sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>