muito prazer…

mala-sentimento-cronica

Sou como sopro no silencio

sinto, existo, envolvo

Sou como saudade de verão

desejo, inspiro, espero

Sou como rastro no chão

sigo, desvio, apago

Sou como sol encobrindo a tarde

amanheço, medito, renasço…

Sou o tempo que canta a solidão da liberdade

Sou a felicidade sóbria da palavra embriagada

Sou o penúltimo capitulo do meu conto de fada

Sou feliz, ou talvez

Era uma vez…

(maria ramos)

Ben

532c8908d536eeafe91081eb7bfaf55eQuando o verso deixa de ser ausente, você é semente, um sonho, um ganho de Natal

Até o carnaval, apogeu! Cresceu, virou grão. Razão nova para germinar, pulsar na estação gelada, marcada pelo quente dos sentidos, dando abrigo, pão e gosto.

Entre meses ou agosto, não há verbo que defina ou descortina a espera desse amor contido, escondido, tatuado, só agora revelado e pra sempre inacabado…

(maria ramos)

em um sonho 21/12/2015

Sobras

Do que é feito o amor?

emoções inexplicadas

Do que é feita a dor?

lembranças inacabadas

E o que restou do amor?

palavras espalhadas pelo caminho

E o que restou da dor?

um não sei o que de sozinho

Do que é feito o tempo?

fragmento das horas

Do que é feito um momento?

passatempo sem demora

E se ainda me resta tempo, escrevo historia

com a sobra do momento tatuada na memória.

(maria ramos)

Tempo de chuva

6Antes da chuva chegar é necessário pular amarelinha, plantar  roseira, dançar na ponta da bailarina

Colher fruta do conde, recolher roupa no varal, esconde esconde, pic nic no quintal

Subir no pé de jabuticaba, pé no chão, ler conto de fada, voar bolinha de sabão

Decifrar nuvem no céu, sentar na beira da calçada, poetizar Cordel até a lua ficar prata

Enxergar o que não é importante, cochilar na varanda, descansar horizonte

Ser remanso, navegar barquinho, sorrir com o mar ate sumir passarinho…

É necessário ficar mudo antes de tudo, mergulhar fundo e sonhar… antes da chuva chegar.

(maria ramos)  #poesiademaria #tempoparamaria

Tormenta

tumblr_ldfthwexQM1qclwmjo1_500[1]O que vem de dentro não me acalma, minha alma pede tormento

Você me fez chegar ate aqui, agora me deixa ir, seguir sem pés ancorados

Não me prenda nesse cais, me dê uma chance ou mais velas para içar, horizontes além mar

Não me pede pra ficar. Deixo sobre a mesa de estar o colar de contas, um conto, uma poesia e a saudade em fotografia

Nas minhas entranhas habita uma história que precisa construir memória, para antes do fim, libertar o passado que há em mim

Sou um viajante sem estrada, uma boemia sem madrugada

Preciso de tormento, um momento de loucura para uma alma quase nua.

(maria ramos)

Tanto jaz

large (4)já te escrevi em tantos versos

já te bebi em tantos porres

já te sonhei em tantas madrugadas

já te conjuguei em tantos verbos

já te amanheci em tantos braços

já te descobri em tantos segredos

já chorei, sorri, me embriaguei, desamei, já morri, renasci…

(maria ramos)

Morada

0_lar-839x283Por de traz daquela montanha construí uma casinha, sem trincos, cercas ou campainha.

Deixei a janela aberta e convidei o sol para entrar, mas ali também são bem vindos o céu, as estrelas e o luar

Não é muito grande mas cabe todo mundo lá,

Um livro, um poema, um amor e até um sabiá.

Se de longe ela parece utopia, chega perto, puxe prosa e fique em boa companhia.

(maria ramos)